.

dramas
Um pouco de drama
musicas
Um pouco de musica
novidades
E outras novidades

29 de dez de 2016

Patriarcado e romantização da violência e abuso em doramas- Parte 1- Confucionismo e as mulheres asiáticas.


Okay, esse é um tema sensível e complicado, mas vou tentar abordar com o máximo de detalhes e precaução possível e sem generalizar.

Vamos começar pelo seguinte, sim eu amo doramas, sejam eles Coreano, Japoneses,Chineses ou Tailandeses. Tenho mais foco sobre os dramas Coreanos que os demais, por isso vou falar mais desses, e minha intenção não é julgar-los ou desmoraliza-los, quero apenas chamar atenção ao que andei notando nesses 7 anos em que os assisto.
O mundo dos doramas mudou, e muito, desde a época que mal se tinha acesso a eles e hoje cujo temos serviços de streaming gratuitos ou pagos que oferecem o melhor dos doramas e com muita rapidez se comparado a 8 anos atrás, quando se esperava almas bondosas (que ainda existem) legendarem esses dramas. Posso dizer que mudaram desde a qualidade, efeitos especiais, desenvolvimento, roteiro e todo o resto, posso dizer também que nesse tempo minha visão sobre as coisas também se alterou, digo que amadureci um pouco,mas não, eu não passei a odiar dramas, mas notei pequenas coisas das quais gostaria de chamar atenção, e que muitas das vezes me incomodam.

Bem em muitos dramas, comumente vemos a personagem principal feminina com as seguintes características: A jovem pura, bela (ou o tipo bela a feia), inocente, na maioria das vezes esforçada, que tem sua vida alterada após a chegada de um homem(normalmente rico, Chaebol, milionário, famoso ou dono de uma rede de alguma coisa),o carinha passa a implicar com a garota, ou ignorar sua existência, mas acaba caindo em paixão pela mesma.

Antes de questionar isso e outras coisa, vamos começar falando apenas da base confucionista asiática (confucionismo tem seus prós e contras), o confucionismo aborda o tema papel de gênero baseado em dois conceitos: Namnyo-yubol (diferença entre os sexos) e Nae-Oe-Beob (mulher como representante da esfera doméstica e os homens da esfera pública).

Na esfera doméstica, é comum nos dramas coreanos encontrar a mãe como o único representante da família; A figura do pai é muitas vezes ausente quando os problemas a tratar estão relacionados com o casamento e outras questões domésticas. No entanto, uma vez que há uma subtrama envolvendo negócios ou política, é mais do que provável que uma figura paterna apareça; em Protect the Boss , por exemplo, é, na verdade, a figura da mãe que está faltando, e o pai desempenha um papel relevante na subtrama relacionada com o negócio.

"O dever de uma mulher não é controlar ou assumir o controle".
- O maior dever da mulher é produzir um filho.

Provérbio neo-confucionista  
No romance, é comum ver as personagens femininas abdicarem suas aspirações pessoais priorizando seu relacionamento com o protagonista masculino. Isso é geralmente retratado como uma qualidade positiva, porque ela está se sacrificando pelo amor, que é o objetivo final em dramas românticos, afinal, esses valores, fazem parte da herança do confucionismo.


As mulheres na sociedade coreana são, supostas a se casar e estabelecer sua nova família; O casamento é definitivamente uma grande pressão social na Coréia. Uma vez que uma mulher atinge seus trinta, ela é suscetível de ser chamada de 'ajumma'. Ajumma significa, literalmente, mulher casada, mas é usada por extensão para designar todas as mulheres que parecem velhas o suficiente para se casar(algo semelhante a "está ficando para titia").Ao contrário do equivalente masculino "ajusshi" (que, em uma nota, não significa "homem casado"), ajumma tem algumas conotações ruins.É bem comum vermos em dramas mulheres que estão próximas aos 30 ou já passaram dessa idade, sofrer bastante pressão sobre se casar ou encontrar alguém (algo que acontece também no Brasil).Apesar disso a média de idade de casamento na Coréia é de 31,6 para os homens e 28,7 para as mulheres, o que é aproximadamente a mesma da maioria dos países desenvolvidos.
"Uma mulher deve olhar para o marido como se fosse o próprio Céu, e nunca se cansar de pensar como ela pode ceder a ele."
Provérbio neo-confucionista

No trabalho, é bem comum que na maioria dos dramas as mulheres tenham empregos inferiores ao do par romântico. Sendo que na maioria das vezes são garotas esforçadas que trabalham em muitos empregos de meio período, ou aquelas que já nasceram ricas e por isso não se preocupam em trabalhar. É comum também que mulheres desistam de seu emprego, ou seu sonho de profissão, para se dedicarem ao homem da relação (lembrando que não estou dizendo que tais coisas sejam erradas, apenas questionando elas nos dramas).

"Uma mulher governante é como uma galinha cantando."

Provérbio neo-confucionista
No entanto cada vez mais personagens femininas vem se diversificando e se alterando. Issso se deve muito a relação dos telespectadores á esses tipos de personagens.Vemos personagens mais fortes, independentes, não tão inocentes, ou que não são taxadas a "titias(ajummas)" mesmo em idade avançada,mulheres que dividem alto cargos com homens, ou que levam uma vida aberta, namorando a quantos quiserem, se redescobrindo, e se esforçando e crescendo na vida profissional sem que seja para o personagem masculino.

Será possível que os espectadores de dramas (especialmente as mulheres, já que são os principais espectadores deste tipo de dramas) estão cansadas ​​dessa imagem tradicional das mulheres?
A resposta é sim, mulheres asiáticas estão sim mudando a percepção sobre dramas entre outras coisas e questionando aquilo que não as agradam. Nos últimos anos as criticas a dramas aumentaram, cenas de abuso ou beijo forçado já não são mais tão bem vindas quanto antes. Em 2005, Lee Dong-ho realizou um estudo entre jovens mulheres coreanas que consumiram regularmente dramas de TV japoneses. Apesar da popularidade crescente dos dramas coreanos naquele tempo, eles pareciam achar os dramas japoneses mais atraentes, e uma das razões dadas foi a descrição da identidade de gênero. Nos dramas japoneses, as protagonistas femininas têm vida além do relacionamento romântico; Eles crescem profissionalmente também, e isso é descrito como mais do que apenas um pano de fundo como nos dramas coreanos. Os telespectadores taiwaneses entrevistados para o estudo "Engajar-se com dramas coreanos: discursos de gênero, mídia e formação de classe em Taiwan" também mostraram angústia com a imagem das mulheres em dramas coreanos. Enquanto a classe trabalhadora parecia identificar-se com essa domesticidade em torno das personagens femininas, os informantes bem-educados todos apontavam para sua preferência por mulheres que são fortes e independentes. Um dos informantes disse "No drama coreano. . . Não há nenhum caráter ambicioso da mulher. Os homens são retratados como tendo ambições, mas mulheres".É verdade que existem personagens femininas que estão dispostas a prosseguir sua carreira e ainda conseguem ser femininas, mas na maioria dos casos eles retratam uma ambição gananciosa, tornando-se a antagonista á protagonista humilde, atenciosa e inocente.



Os dramas televisivos coreanos não oferecem uma representação fiel da sociedade coreana; Eles são na maioria das vezes vinculados aos mesmos estereótipos, as histórias repetem-se e os antecedentes permanecem inalterados. As situações também são excessivamente exageradas na maioria das vezes, e é a partir da reação de diferentes grupos de telespectadores que podemos obter uma melhor compreensão do papel das mulheres na sociedade coreana e a relação com a imagem das mulheres em dramas de TV coreana. Esses estereótipos não representam, de modo algum, toda a população coreana, mas o fato de que os telespectadores parecem aceitar e mesmo se identificar com eles indica que os valores confucionistas ainda estão profundamente enraizados na sociedade coreana  Leste Asiática.

Fonte:
1-womeninworldhistory
2-seoulbeats
3-storify

As imagens a seguir são apenas ilustrativas, não representam nada, porém pretendo falar desses doramas nas próxima partes dessa postagem.


21 de dez de 2016

As "outras Mulan's" da China


Quem não conhece Mulan? A guerreira mais famosa da China, a mocinha que se veste de homem para entrar no exercito no lugar de seu pai, e assim conhece o seu verdadeiro amor, o final, é relativo, se falamos da Disney ou da versão chinesa, mas em ambas elas temos, a jovem, Mulan, determinada e superando obstáculos, porém para além dela há mais guerreiras que merecem o nosso respeito. Vamos conhecer algumas

Princesa Zhao de Pingyang- A princesa que liderou e criou seu próprio exercito. 



Princesa Pingyang era decididamente mais temível do que seu nome sugere. Ela levou um exército que ajudou a estabelecer uma das maiores dinastias da China, e, como seu pai disse, 'ela não era uma mulher comum'.

Nascida em 600 dC, Pingyang era a filha de Li Yuan. Li era um  camponês e tinha subido através das do exército para se tornar um comandante militar. O imperador na época era o segundo líder da dinastia Sui e era conhecido como Yangdi . Yangdi não era um governante popular. O povo da China o viam como um vilão e ficaram cada vez mais descontentes com o seu governo, gastos e os impostos crescentes. E uma rebelião foi se formando à medida que mais e mais pessoas foram se opondo a ele.


Yangdi começou a desconfiar de todos. Ele pensou que Li Yuan estava conspirando contra ele e decidiu se voltar contra ele. Li Yuan foi considerado um rebelde e passou a viver com medo de possivelmente, enfrentar a morte. O tempo estava certo e Li decidiu liderar uma rebelião para derrubar o governo de Yangdi e estabelecer a ordem e a paz em toda a china. Mas primeiro ele teve que derrotar os exércitos de Yangdi.

Quando Li Yuan decidiu se rebelar, Pingyang estava vivendo com seu marido Chai Shao, que passou a ser o líder da guarda do palácio! Li Yuan conseguiu conversar com Pingyang e Chai Shao para avisá-los de que ele estava planejando uma rebelião.
 Chai Shao imediatamente se juntou Li Yuan. Ele estava preocupado com o que aconteceria com Pingyang, mas ela deixou claro que ela poderia cuidar de si mesma.

Ela realmente fez muito mais do que apenas "cuidar de si mesma". Ela vendeu à propriedade de sua família, e usou seu dinheiro para alimentar as pessoas famintas que estavam na área circundante. Sua compaixão ganhou lealdade e logo o mais forte deles se uniram sob a sua liderança para formar um exército, assim criando seu próprio exercito.

Ela começou a ir com seu exército de província para província, convencendo outros grupos de rebeldes para se juntar a ela e ajudar na rebelião de seu pai. Eventualmente, ela comandou um exército de mais de 70.000 pessoas. Eles ficaram conhecidos como 'The Army of the Lady'.

Ela tinha regras muito estritas sobre o comportamento de seus soldados. Ela proibiu-os de saquear, pilhar e estuprar. Em vez disso, distribuiu comida a quem tem fome, ganhando carinho e lealdade das pessoas. Eles eram vistos como libertadores, não conquistadores.

Até este ponto, o Imperador realmente não tinha levado seu exército a sério porque ele foi liderado por uma mulher,  agora, ele estava começando a ficar preocupado como Li Yuan e os exércitos de Pingyang corroendo cada vez mais do seu poder. Ele enviou um batalhão para tentar destruir o exército da Pingyang, mas eles foram rapidamente derrotados.

Na batalha final na capital, Pingyang juntou forças com o marido e derrotou os últimos remanescentes da dinastia Sui. Imperador Yangdi fugiu, mas acabou por ser morto.

Li Juan tornou-se o novo imperador, chamando a si mesmo imperador Gaozu de Tang  e estabeleceu o que é conhecido como a Dinastia Tang , que se tornou um dos momentos mais prósperos da história da China e tem sido descrito como uma "idade de ouro". Ele deu Pingyang os títulos de Princesa e 'Zhao', o que significa muito sábio e virtuoso sendo também algo semelhante a "Mestre Jedi".

Infelizmente, a jovem princesa Pingyang morreu somente alguns anos depois que seu pai tornou-se imperador. Ela tinha apenas 23 anos na época de sua morte, que nos lembra o quão jovem ela era quando liderou um exército inteiro! Seu pai deu-lhe um funeral militar grande, incluindo uma banda, que era inédito para uma mulher naqueles dias na China (e tipo contra as regras). Quando offciais questionaram sua decisão de fazê-lo, ele disse:

"Como sabem, a Princesa reuniu um exército que nos ajudou a derrotar a dinastia Sui. Ela participou de muitas batalhas, e sua ajuda foi decisiva na fundação da Dinastia Tang. A princesa pessoalmente  levantou-se em rebelião justa para me ajudar a estabelecer a dinastia ... Ela não era uma mulher comum. "

o livro,  "Princess Behaving Badly" menciona Pingyang entre outras princesas rebeldes e impressionantes da história.
Fonte:badassoftheweek

Sun Shangxiang- A princesa que sabia se proteger.


Lady Sun foi a única filha de Sun Jian e Lady Wu . Ela tinha quatro irmãos que também nasceram Lady Wu - Sun Ce , Sun Quan , Sun Yi e Sun Kuang . Seu nome pessoal não foi registrada na história(Pois na China feudal, mulheres não eram registradas)

Às vezes, em 209,  Lady Sun casou com o senhor da guerra Liu Bei para fortalecer uma aliança entre Liu Bei e Sun Quan. O casamento provavelmente teve lugar no Gong'an (公安; atual Gong'an County , Hubei ), e Lady Sun foi enviado para lá para se casar com Liu Bei, porque Liu estava servindo como Governador (牧) de Jing Província , em seguida, e sua provincial capital era Gong'an. Lady Sun era conhecida por ser sábia, astuta, dura e feroz em caráter, muito parecida com seu irmão Sun Quan. 
Ela tinha mais de cem funcionárias do sexo feminino, todos elas empunhavam espadas e montavam guarda fora de seu quarto. Sempre que Liu Bei entrou no seu quarto, sentiu um frio em seu coração. Liu Bei também era suspeito e com medo de Lady Sun.   

Por volta de 211 , quando Liu Bei Jing deixou província em uma campanha para atacar o senhor da guerra Liu Zhang em Yi Província (cobrindo atual Sichuan e Chongqing ), enquanto Lady Sun permaneceu em Jing Province. Liu Bei sabia que seu general Zhao Yun era uma pessoa séria e ordenada, para que ele especialmente colocar Zhao encarregado dos assuntos internos (em Jing Província). Quando Sun Quan ouvido que Liu Bei tinha viajado para Yi Província, ele enviou um navio para buscar sua irmã de volta ao seu domínio. Lady Sun tentou trazer o filho de Liu Bei, Liu Shan , que nasceu a primeira esposa de Liu Bei Lady Gan .
No entanto, os generais de Liu Bei Zhao Yun e Zhang Fei levou seus homens para interceptá-la no caminho e raptaram Liu Shan. Nada foi gravado na história sobre o que aconteceu com Lady Sun depois que ela voltou para casa.
wikipedia

Liang Hongyu-A primeira a receber um salário de recompensa.

"Hongyu" significa "vermelho jade" em chinês; verdadeiro nome desta mulher é desconhecido, mas suas realizações como um general durante a Dinastia Song persistem em óperas, peças de teatro, e literatura.
Liang Hongyu viveu na época da transição do Norte à dinastia Song do Sul. Em 1129, Han Shizhong recebeu ordens para acabar com uma insurreição. Rebeldes capturados Liang Hongyu e seu filho e disse Liang para convencer o marido a parar de lutar. Liang ostensivamente concordou, mas ao conhecer seu marido, ela colocar a segurança do país em relação à de seu filho e ela e falou a seu marido para ficar com o seu plano de batalha. Depois de colocar a rebelião Han Shizhong foi promovido e Liang Hongyu foi homenageado com um salário do governo. Isto marcou a primeira vez na história chinesa que a esposa de um funcionário foi recompensado com um salário do governo para as contribuições para a segurança nacional. 

No mesmo ano, a 100.000-forte exército Jin estabelecido pela minoria étnica Nvzhen invadiu Zhejiang e na área do rio Yangtze. Han Shizhong levou um exército de 8.000 em um ataque contra as forças Jin superiores como eles se retiraram para o norte. A grande diversidade na dimensão destes respectivos exércitos significava que Han Shizhong e Liang Hongyu era necessário utilizar a sua inteligência ao implantar as suas tropas limitadas. Eles prepararam uma coluna de soldados para uma emboscada, e Han liderou uma frota de guerra para atrair o inimigo. Han Shizhong derrotou o exército Jin, mas não tomou conselho e avanço de Liang a vitória total, com o resultado de que as tropas Jin restantes escaparam. 

Quando a guerra acabou, Liang Hongyu não pediu honras, mas que seu marido ser penalizado por ter perdido uma oportunidade . Foi um pedido que moveu todos os interessados e ganhou Liangyu o título, 'Yangguo Lady'. 

Liang Hongyu ajudou Han Shizhong estabelecer a paz no Chu Zhou, Huaian de hoje na província de Jiangsu. Eles construíram uma nova cidade para resistir as tentativas de invasões Jin , e os seus soldados eram leais a eles. Sob o governo de Han e Liang, era dez anos antes que o exército Jin tentou outra invasão. 
A vida posterior de Liang foi dedicado a educar seu filho. Ela morreu com a idade de 51.


Qin liangyu- A general


Um retrato imaginário de Qin Liangyu, uma heroína leal cuja história apresenta na história oficial da Dinastia Ming.
A História Oficial da dinastia Ming menciona Qin Liangyu, famosa heroína do final da dinastia Ming, descrevendo-a como corajosa, inteligente, e um excelente cavaleira e arqueiro. Ela liderou uma tropa conhecido como o "exército pólo branco '. 

Qin era um nativo de Zhongzhou, Província de Sichuan, também cidade natal de famosos oficiais militares leais Ba Manzi do período e Yan Yan Estados Guerreiros do período dos Três Reinos. Qin praticado artes marciais com seus irmãos em uma idade precoce e também se tornou versado em táticas militares. Ela era proficiente em equitação e tiro com arco pelo tempo que ela tinha 20 anos corajoso e inteligente, Qin era bem conhecido em seu tempo como uma mulher graciosa hábil em artes marciais e ciência militar. Ela se casou com Sichuan funcionário do governo Ma Qiancheng quando ela tinha 20. 

escaramuças de fronteira eram abundantes durante o final da dinastia Ming. Qin e seu marido estabeleceu uma tropa de jovens locais para proteger o país, armado com pólos de basswood branco, cada um com um gancho em uma extremidade e um laço na outra. Esta arma foi muito útil em Sichuan montanhosa. Enganchando seus pólos através dos laços dos soldados na frente deles, os soldados foram capazes de avançar rapidamente até montanhas. O Exército Pólo Branco ganhou muitas batalhas e tornou-se famoso em toda a província. 

Qin assumiu seu marido a posição de Ma Qiancheng depois de sua captura e morte na prisão. Neste momento a minoria étnica Nvzhen, que fundou a dinastia Qing, levantou-se e ameaçou a fronteira. Depois de uma derrota esmagadora, o governo implantou Qin Liangyu para combater os invasores Qing. Seus irmãos e filho estavam entre os muitos soldados que morreram, mas Qin continuou a lutar até que seu exército tinha conduzido o inimigo em retirada. 

No terceiro ano do reinado do Imperador Chongzhen, os exércitos de Qing, uma vez mais invadido a região fronteiriça. Em resposta ao apelo do Imperador, Qin Liangyu montou dia e noite e, sem pausa, imediatamente para a batalha. Qin ajudou, assim, Beijing fora de perigo. O Imperador Chongzhen recompensado Qin, apresentando a ela no sedas corte imperial, carne de carneiro e vinho. Ele também escreveu quatro poemas em louvor dela.



Sichuanying hutong onde Qin estava estacionado em Pequim

O exército de Qin Liangyu foi postado em Sichuanying de Pequim, agora um hutong. Uma imagem de Qin uma vez pendurado no hall aliança Sichuan que ali estavam. O salão desde então se tornou uma residência, e a imagem de Qin fica guardado com segurança em Pequim Relíquias Culturais Mesa.



29 de nov de 2016

Analise:Age Of Youth


Hello people, vamos falar do melhor dorama que vi esse ano?
Esses dias terminei de ver Age of Youth, sinceramente já estava bem desanimada com muitos doramas que andam aparecendo ultimamente, nenhum de fato estava me chamando atenção até que me aparece essa luz no fim do túnel.
Esse dorama passa no teste de bechdel, pois é incrível não?

Elenco:

Han Ye Ri as Yoon Jin Myung (28)
Han Seung Yeon as Jung Ye Eun (22)
Park Eun Bin as Song Ji Won (22)
Ryu Hwa Young as Kang Yi Na (24)
Park Hye Soo as Yoo Eun Jae (20)

Sinopse:

Estudantes universitárias Yoon Jin-Myung (Han Ye-Ri), Jung Ye-Eun (Han Seung-Yeon), Song Ji-Won (Park Eun-Bin), Kang Yi-Na (Hwa Young) e Yoo Eun-Jae (Park Hye-Soo) dividem uma casa.
Jin-Myung está ocupada apoiando-se financeiramente e estudando. Ela sofre de insônia. Ye-Eun é dedicada ao seu namorado, ela é clara sobre o que ela gosta ou não. Ji-Won tem uma personalidade brilhante e gosta de beber. Yi-Na é popular devido à sua aparência bonita. Eun-Jae é tímida, mas ela tem um gosto único para homens.

Trailer:


Analise: (contém spoilers)
Antes de tudo, temos aqui um dorama que passa no teste de Bechdel, é verdade, e super foge do clichê de doramas, (é isso que a Rockii gosta é isso que a Rockii quer).
Age of youth conta a história de 5 garotas universitárias que dividem um tipo de republica chamada Belle Epoque, cada uma delas tem uma personalidade diferente,então vamos por etapas.

Age of Youth-Park Hye-Soo.jpgYoo Eun-Jae: Ela é a primeira a ser apresentada no dorama, uma garota hiper tímida, é também a mais nova, não fala muito e quando fala, fala muito baixo, ela esconde um segredo ao qual não pode contar a ninguém.
Ela nos mostra uma face tímida, com um grande segredo de culpa que a corrompe, vive um romance e desenvolve muito.



Age of Youth-Hwa Young.jpg

Kang Yi-Na: É a garota hiper bonita e sexy, quando passa na rua chama a atenção de todos os homens e mulheres, tem uma vida aberta e muitos namorados, todos invejam sua beleza.
Ela nos envolve em nosso preconceito, nos mostra uma face aberta, de quem está simplesmente vivendo a vida como quer, sem se preocupar com nada e simplesmente pensando no hoje, a mesma desenvolve muito e também ensina muito a todos com o passar do dorama.



Age of Youth-Park Eun-Bin.jpg

Song Ji-Won: Ela é  melhor pessoa nesse dorama, super animada e extrovertida, é louca pra arranjar um namorado, porém acaba sempre por afastar os pretendentes, mas sempre trás alegria a Belle Epoque, e diz ver fantasmas e a áurea das pessoas.
É uma pessoa de bem com a vida, sem muitos problemas, sua maior meta e decepção está em torno dos relacionamentos, que por ser uma garota animada, intrometida,agitada entre outras características não muito admiradas entre a sociedade patriarcal asiática, acaba tendo problema nesse quesito.



Age of Youth-Han Seung-Yeon.jpg
Jung Ye-Eun: Tem uma língua afiada e joga tudo na cara, é super dedicada a sua aparência e ao seu namoro, é bem ciumenta, e bem frágil.
-É uma garota cristã, cujo tem um relacionamento não muito reciproco, ela é presa em seus próprios preconceitos e neura, adora falar da vida alheia, e passa por poucas e boas nesse dorama, o desenvolvimento da personagem é grande, entre seus preconceitos, medos, aceitação e até mesmo sobre dar um fim ao seu relacionamento.




Age of Youth-Han Ye-Ri.jpg
Yoon Jin-Myung: É a mais velha do grupo, trabalha durante o dia inteiro, em vários trabalhos de meio período, e pouco tem tempo para si própria, mas acaba por viver um romance.
Yoon Jin-Myung- É o contrário da Kang Yi Na, ela vive uma vida com base no amanhã, se esforça muita com vários trabalhos de meio período e a faculdade, sempre pensando no futuro mas acaba não vivendo o presente, seu desenvolvimento é complicado, e desenvolve mais após levar um baque da vida.



O relacionamento das meninas, é bem complicado, as vezes elas estão brigando por motivos bobos e outras estão reunidas na mesa bebendo ao final de um dia cansativo.Nos primeiro episódio,Ye-Eun acaba por se aproveitar da tímida Eun-Jae, que simplesmente faz as coisas mesmo que não queira e guarda tudo o que não a satisfaz para si própria, porém ao final Eun Jae acaba por explodir seus descontentamentos, no final do dia todas se reúnem para uma bebedeira, como uma forma de se desculparem com a Eun Jae e dar boas vindas a ela, porém Ji-Won diz que tem um fantasma na casa, e cada uma das garotas veem ali seu próprio fantasma, e assim se inicia os mistérios do drama, quem são os fantasmas que assombram cada uma,e o que elas escondem, nos levando a entender a história de cada uma delas, desde suas alegrias aos seus sofrimentos.
Esse dorama quebra vários Tabus ao mesmo tempo, sexo,pornografia,prostituição, namoro abusivo entre outros, podemos dizer que cada personagem tem seu drama, porém é exatamente o fato de não serem perfeitas que as tornam ótimas personagens e mais humanas.

Ponto alto:Todo o Taboo retratado, a comédia bem desenvolvida, e as histórias individuais assim como um todo.

Ponto Baixo: O final que deixou aberto para talvez uma segunda temporada.



Super aconselho a ver o dorama principalmente pela doida da Jiwon, que super cativa a qualquer telespectador.
Mas é bem difícil escolher qual personagem é a melhor, e qual é a mais cativante.


Nota: 9,8
O dorama está disponível no kingdom fansubs e dramafever.

22 de ago de 2016

Analise: when a peking family meets aupair

Pessoas, voltei, agora é de verdade, sei que o blog estava parado me desculpem por isso!
Em fim, vim para analisar esse filme chinês hiper fofo, e bem diferente do comum na asia!

Elenco:

Infelizmente não encontrei informações completas sobre o elenco, apenas em mandarim, ou em partes, por isso preferi não colocar.


Sinopse:

Este filme conta a história de uma família chinesa e uma au pair(Au pair é uma expressão francesa que significa "ao par", ou seja, em termos iguais, intercâmbio em igualdade de condições. O termo au pair hoje refere-se a programas de intercâmbio cultural de 12 meses com remuneração, para jovens de 18 a 26 anos, normalmente do sexo feminino, mas não necessariamente. estes trocam moradia alimentação e hospedagem para cuidar da(s) criança(s) da família) estudante de mandarim colombiana. A mãe de Pi Pi é super protetora e quer enviar Pi Pi ao exterior para um futuro melhor. Ela é obcecada pela imigração e contrata uma au pair para Pi Pi para a ensinar Inglês.


Trailer:


Analise: (contém spoilers)
Antes de tudo encontrei esse filme no youtube, foi meio que na sorte e está legendado em inglês, portanto antes de ter interesse em ver fique ciente dessa condição.

when a peking family meets aupair é um  filme de 2014 que retrata o contato de 2 nacionalidades diferentes, sendo elas chinesa e colombiana, o filme retrata a diferença das duas culturas que são muito distintas, pois bem.
 Pipi é uma menina em idade pre escolar que tem um gênio forte, uma menininha que é o espelho de sua mãe, é estressada, mandona e por ser filha unica (lei do filho único ainda em vigor na época) é também muito mimada, sua mãe é um pouco paranoica no que se diz a saúde e bem estar da filha e a trata como uma boneca de porcelana que pode se quebrar a qualquer hora, Natalie é uma mulher colombiana, ela se inscreve no programa de au pair para a china, ela fala fluentemente inglês e mandarim e dessa forma crê que pode melhorar o mandarim dela.
Depois que pipi não é aceita na pre escola por ter um inglês ruim e por ter feito confusão batendo em outra aluna no primeiro dia, sua mãe resolve encontrar uma au pairpara cuidar dela e assim começa a entrevistar varias pesoas pela internet e seleciona a Natalie, por ser animada e extrovertida!



Assim que Natalie chega a China os destaques entre as culturas (exagerados claro) já entram em vigor, ela chega abraçando a mãe e já brincando com todos, no carro sai gritando pela janela de felicidade, e no restaurante acaba pedindo algo extremamente caro em uma porção para um grande banquete, por seu pouco conhecimento sobre a moeda,e a comida, já a mãe de Pipi, carrega consigo anti-germes e talheres especiais para a filha, em sua casa há também frutas orgânicas apenas para a criança, ela a ensina a bater a comida para a criança não engasgar,nessa etapa também ocorre a cena estupida, quando Natalie sai do banho de toalha e a mãe de Pipi acha ruim porque seu marido estava na sala(Tipica questão retratada sobre latinos no mundo, porém ainda sim o filme em momento nenhum tratou Natalie como a latina conquistadora de maridos, cena que vemos muito em filmes americanos).

O pai e a mãe de Pipi têm uma relação não muito feliz, dormem em quartos separados e o dinheiro está sempre entre as conversas deles, eles trabalham muito de forma que não passam tanto tempo com a criança.A mãe de Pipi é o tipico retratado sobre mãe chinesas, que são tigres quando se trata de seus filhos, que se importam muito com dinheiro e em competir com os outros, em status e etc..
No dia seguinte Natalie se depara então com uma criança mimada, mandona e manhosa porém solitária, Pipi acorda procurando sua mãe e quando vê que está não está começa a fazer pirraça, dizendo que não a quer e quer sua mãe mas Natalie reverte a situação e as duas acabam por se divertir.

Natalie e Pipi brincam de esconde esconde, porém quando a mãe de pipi a encontra escondida em uma lixeira, ela logo fica estressada e xinga Natalie.
 Conforme o filme passa, a amizade entre Natalie e Pipi aumenta, seu jeito divertido de agir que se contrapõe ao jeito de sua família, conquista Pipi, que logo passa a ter aventuras diferentes de seu cotidiano, que era sempre estar em casa e brincar de bonecas, porém a relação de Natalie e a mae não é tão boa, já que a mesma acha que Natalie expõe sua filha a situações de risco, ela até mesmo tenta trocar de au pair porém sem sucesso.
O filme segue e a relação de Natalie com a mãe melhora, quando está vê que o inglês da filha melhorou, porém Natalie perde Pipi quando vai em um evento chinês, Natalie se sente culpada, e desaba, Pipi é encontrada e a mãe encontra Natalie correndo em um parque, elas vão pra casa, Natalie fala sobre sua infância e a relação com sua madrasta, o laço entre as duas se fortalece, no dia seguinte há uma cena meio preconceituosa mas que resulta em uma cena fofa mais pra frente, Pipi provoca Natalie as duas brigam e Pipi diz que a irá trocar por uma au pair como a dos filmes e contos de fadas com cabelos loiros longos, pele clara e vestidos de princesa, a mãe de Pipi a faz pedir desculpas e já trata Natalie como uma filha, a cena fofa é que Natalie ensina sua cultura a Pipi e a veste como na Colombia, mostrando a ela outro tipo de princesa, para além das dos filmes americanos, infelizmente a mãe de pipi acha ruim o excesso de maquiagem, e a repreende.


Muitas coisas acontecem no filme para além disso mas prefiro não dar spoiler, no final ele deixa uma mensagem sobre o quanto os chineses se preocupam com dinheiro e status, e deixam suas crianças se sentirem solitárias, mais um spolier mega fofo, na despedida da Natalie, Pipi pede para que Natalie tenha muitos filhos assim quando ela crescer ela poderá ser au pair dos filhos dela.





O final é feliz e muito fofo, deixam claro que a presença de Natalie ensinou muito aquela família.

Nota:7,1


O filme é muito fofo, as relações são complicadas, mas no final tudo se resolve.

Contras: Há algumas cenas estereotipadas, porém nada ao extremo.O filme está em Inglês e é difícil ou quase impossível encontra-lo.


Filme:



19 de dez de 2015

Analise: The Greatest Marriage



Esse dorama vi a bastante tempo, porém, só deu para analisar agora, vamos a analise do mesmo.

Vi ele no Drama Fever, é meio que um dorama de polêmicas, tratando de assunto pouco comuns no mundo dos dramas.

Elenco principal:

•Park Si-yeon as Cha Gi-young
•Bae Soo-bin as Jo Eun-cha
•No Min-woo as Park Tae-yeon
•Uhm Hyun-kyung as Hyun Myung-yi
•Jung Ga-yeon as Na Yeon-hee
•Song Young-kyu as Choi Il-joong
•Park Hye-jin as Jung Soon-young
•Park Ji-il as Seo Hoi-pyung
•Kim Jin-ho as Ahn Jong-rak

Sinopse:

Cha Ki Young (Park Si Yeon) era uma âncora de telejornalismo bem sucedida, mas tudo mudou quando ela resolveu se tornar mãe solteira por não aceitar as condições impostas pela família do seu namorado, Park Tae Yun (No Min Woo). Jo Eun Cha (Bae Soo Bin) também já foi âncora, mas abandonou a carreira para tentar ser congressista, porém não teve muito sucesso. Ambos não se dão muito bem, pois quando eles trabalhavam juntos, o Eun Cha tratava a Ki Young muito mal. Apesar de no momento estarem por baixo, eles irão descobrir que o destino guarda algo inesperado para eles.


Analise:(Contém Spoiler):Esse dorama tem um inicio super bem desenvolvido porém o final deixa a desejar, o drama acompanha a história sofrida de uma mãe solteira na coreia, as cenas são realmente chocantes, o que bota em questão o grau de realidade, com que foi abordado, de forma alguma estou criticando a situação, é fato que ser mãe solteira na coreia assim como na maior parte da asia é um tabu, e o graú de preconceito ao qual essas mulheres são expostas sem duvida é assustador, e é isso que o dorama mostra.
O telespectador é apresentado a vida de Cha Gi-Young, uma jornalista de horário nobre, com uma vida boa e bem estruturada, super independente, não se interessa muito por relacionamentos ou crianças, porém Park Tae-Yeon acaba por conseguir conquista-la apos um pouco de insistência.
As cenas de romance inicial são fofas e quentes.




O resultado desse romance é então a gravidez da personagem principal, é ai que começam os problemas, os pais de Tae Yon são hiper machistas, e tradicionais, e ele mesmo começa a mostrar sua verdadeira face, e sua personalidade vai mudando aos poucos, sem ceder aos desejos da família de Tae Yon, Gi Young não é aceita pela mesma e mantém a gravidez em segredo, então passa por uma gravidez solitária e escondida, da qual não recebe apoio nem da própria mãe.



As coisas pioram quando a gravidez vem a tona, o canal de tv para o qual trabalha ,quer logo se livrar dela, sofre chantagem do seu companheiro de trabalho para manter o segredo, e muita pressão psicológica, as coisas ficam assustadoras porém são controladas pelo esforço da personagem principal.
Apos ter a criança que foi uma das cenas mais tristes do dorama, ela lida com o preconceito até mesmo dentro do hospital, é rebaixada no emprego, as condições financeiras, o bullyng que a criança sofre na escola, entre outras questões que fazem parte da vida de uma mãe solteira na coreia, mas as coisas pioram quando a família de Tae Yon descobre sobre a criança, logo requerendo a guarda, a partir desse momento o dorama pra mim se torna cruel demais, porém não posso dar mais spoiler do que isso.



Para além da história de Cha Gi, há também a história de sua melhor amiga Na Yeon-Hee, que tenta se divorcia de seu marido por traição e tem que lidar com a guarda da filha que segundo as leis coreanas são prioritárias para o pai(Lei que recentemente não está mais em vigor), e Park Sun-Nyeo irmã do Tae Yon, uma mulher  independente e dona de uma livraria, lida com a solidão, por ser uma mulher da qual a independência acaba por afastar os homens coreanos, e lida até mesmo com o machismo dos pais ( que teem a visão de mulher independente como uma mulher que não é boa para se casar). O desenvolvimento de Jo Eun-Cha também é algo a se destacar, pois deixa de ser o vilão da história e se torna o mocinho (ou quase isso).





Ponto alto: O desenvolvimento do dorama, a história e todo o tabu envolvido.

Ponto Baixo: O final chega a ser decepcionante, pois no meu ponto de vista jogam muito a culpa para a personagem principal, que com o desenvolver do dorama vai perdendo um pouco da determinação.

NOTA: 7,0

Curiosidades: O aborto na coreia mesmo sendo ilegal é um meio muito utilizado por grávidas que não tem um parceiros ou são abandonadas pelo parceiro, sendo que segundo uma pesquisa do Ministério da Saúde, Bem Estar e Assuntos Familiares, 96% das grávidas sem um parceiro em 2007 optaram por um aborto.
 Uma matéria curiosa sobre mães solteiras na coreia que indico a leitura http://kpopnow.com.br/colunas/opiniao-the-greatest-marriage-fora-da-telinha-o-dilema-das-maes-solteiras

Outra questão foi o sucesso do dorama na coreia o que o levou a uma mudança de horário de exibição para um horário mais nobre.

Algo que acontece no dorama que me chamou a atenção foi a tentativa dos personagens de criar uma lei semelhante a lei Maria Da Penha.

Então por enquanto é só, e até o próximo post.

4 de out de 2015

Analise: Helter skelter 2012

E ai peoples
Sei que sou meio irresponsável com o blog e posto muito pouco mas a vida não está ajudando muito, ando meio sem tempo para postar, mas seguindo em frente hoje trago a analise de um filme japonês.

Raramente vejo filmes japoneses, mas resolvi embarcar um pouco na área ultimamente, e o meu
filme escolhido foi Helter skelter com a polêmica Erika Sawajiri.

Aviso: filme para maiores de 18 anos.

Elenco:
Sawajiri Erika como Ririko
Nao Omori como Makoto Asada
Shinobu Terajima como Michiko Hata
Ayano Go como Shin Okumura
Mizuhara Kiko como Kozue Yoshikawa
Arai Hirofumi como Kinji Sawanabe
Suzuki Anne como Kumi Hosuda
Susumu Terajima como Keita Tsukahara
Kaori Momoi como Hiroko Tada
Sho Aikawa como Mikio Hamaguchi
Mieko Harada como Hisako Wachi
Kubozuka Yosuke como Takao Nanbu





Sinopse:
"Helter Skelter", o novo filme da diretora Mika Ninagawa  marcando o retorno para a tela grande da sempre polêmica Erika Sawajiri.
 Essa é a História de uma top model que é a queridinha da mídia. A mais sexy de todas "Lilico" (Erika Sawajiri) é uma supermodelo cuja aparência e estilo perfeito fazem dela objeto de ciúme intenso entre as mulheres e os jovens. No topo da indústria do entretenimento ela está em toda parte, em todo o Japão. Mas Lilico tem um grande segredo .... Ela passa por cirurgia estética múltipla em todo o seu corpo. Lilico faz com que a vida das pessoas ao seu redor sejá miserável enquanto ela tenta lidar com a sua carreira e problemas pessoais.
Mas quando a perfeição começa a evaporar e os efeitos colaterais começam a aparecer ele não pode deixar ninguém saber o seu segredo.
fonte:dopeka

trailer:


Analise: (contém spoilers) 
Healter skelter é um grande filme em minha opinião, a Lilico é tipo uma Gisele Bündchen japonesa, super famosa pela aparência é amada e cobiçada por homens e mulheres do japão inteiro, sendo o rosto mais bonito e se encaixado dentro dos padrões de "garota perfeita" , está em todas as capas de revistas e propagandas da tv e doramas,  todas as garotas sonham em ser ela, parece a garota perfeita em todos os aspectos, porém por trás das câmeras Lilico mais parece outra pessoa. Narcisista é  capaz de qualquer coisa para se manter no topo ela é completamente falsa, resultado de varias cirurgias plásticas mal há resquícios dela mesma, e a  beleza absoluta e eterna fez dela uma mulher manipuladora que usa a beleza e o corpo para conseguir o que quer, contudo resultado de tantas intervenções seu corpo começa a ter efeitos colaterais, Marcas e feridas brotam em sua pele, e dores o que a leva a se entupir de remédios, e estar a beira da loucura.
Ao mesmo tempo a clinica responsável pelas cirurgias dela, está sendo investigada, varias das pacientes da mesma aparecem com as mesmas marcas e frequentemente algumas cometem suicídio, outra questão é o uso de órgãos em suas cirurgias. 


Lilico faz da vida de todos a sua volta um inferno, egocêntrica, manipuladora e vaidosa ao extremo, trata com desdém qualquer um que está abaixo dela, no caso é quase uma vilã porém em momento algum o filme tem a intensão de julga-la, apenas acompanhar a sua trajetória de vida. Hada-chan é sua assistente pessoal, e a que mais sofre, Lilico a manipula faz com que Hada se apaixone por ela (sim há cenas homossexuais) sendo capaz de qualquer coisa e se tornando refém de seus desejos, ela se aproveita tanto da ingenuidade e cumplicidade da assistente que chega a fazer pedidos absurdos, e como se ela fosse seu brinquedo que ela domina e faz o que quer.



Quando uma nova modelo, mais jovem chega em sua agencia e começa roubar os holofotes dividindo assim espaço com ela, se sentindo ameaçada e super insegura, começa a ficar paranoica, e a se destruir, e a garota que antes já e a uma bagunça, se torna pior e mais confusa, ela começa a se quebrar por dentro e por fora.

Ao mesmo tempo que a protagonista, é narcisista e psicótica, é possível ver que ela não é uma vilã, apenas humana.
 A atriz a interpretar a personagem foi Erika Sawajiri, não imaginaria pessoa melhor pra interpretar o papel, creio que por ter passado por algo semelhante se colocou completamente no lugar da personagem, acho a atriz muito boa e gostaria que ela fizesse mais trabalhos mas parece que ela deixou a carreira, por tempo indeterminado.



A fotografia é perfeita abusando de cores fortes, algo que sempre me atrai,  Mika Ninagawa, mostrou sua marca.

O filme chega a ser bizarro, porém tem uma mensagem forte.

amo a fotografia desse filme

amo a fotografia desse filme


Nota:9,1


O filme é legal, a cinematografia também, o final é legal mas poderia ter sido um pouco melhor.


11 de set de 2015

Machismo no Hallyu- Parte-1


Fãs de k-pop e musica asiática, o tema da vez que vim falar é do feminismo no k-pop e no mundo asiático, bem, olhando de longe vemos grupos fofos, quase perfeitos, com idols que todos os garotos e garotas querem ter na vida e blablabla, mas será que a asia é mesmo assim? será que essa perfeição é real?

Sinto informa-lhe meu caro amigo, mas o k-pop assim como o pop americano, e de outros países nada mais é do que obter lucro, vender uma imagem, sejamos sinceros, mas o k-pop ele tenta vender uma imagem para adolescentes, com meninas e meninos fofos, com rosto perfeitos, 'abs' perfeitos entre outros, por outro lado é bem evidente que os grupos femininos são mais cobrados que o masculino, roupa, coreografia, MV, atitude, vida pessoal......Não é novidade a coreia é machista como toda a ásia, e se tem algo que asiáticos não evoluíram é a mente, claro esse conceito não vale para todos, assim como há asiáticos que têm uma mente bem aberta há muitos ocidentais com mente fechada, afinal a coreia se abriu a pouco tempo assim como outros países asiáticos como a china que vem se abrindo aos poucos, e querer que o país seja exemplo de feminismo e luta pela igualdade é querer demais.

Não vemos idols que lutam pelo feminismo o máximo que vemos são musicas chulas, que parecem reivindicar os direitos das mulheres, salvos algumas exceções. A explicação pra isso é bem clara, quem são CEO's das empresas de k-pop? Sim homens com grande poder, sentados em seus tronos no cargo mais alto, segundo, o k-pop é bem rotativo, hoje temos um grupo muito famoso, mas raramente durarão muitos anos, o tempo inteiro grupos fazem comeback e dão disband, como um ciclo vicioso, e se fizerem algo que errado então ameaçam a fama do grupo inteiro, correndo o risco de disband,  as idols não têm tanto poder nas mãos e o máximo que elas podem fazer é trabalhar, arduamente e ter a sorte de fazer um pouco de sucesso, então quando der o disband elas sairão com um pouco de dinheiro na mão é uma boa reputação entre os homens e conseguindo um bom marido, então querer que elas representem as garotas é querer demais.
Além disso vemos garotas que se esforçam muito e tem muita força, quem segue grupos femininos no instagram entre outras redes frequentemente deve ver fotos de hematomas, muitas das vezes surpreendentes, resultantes dos esforços das garotas, mas a questão é porque essas garotas sofrem tanto, e no fim quando fazem um comeback, a unica coisa que notam ao invés de todo o esforço que tiveram no MV notam apenas, que fulana não tem o rosto bonito, ou fulana ta precisando emagrecer, esse conceito foi sexy demais, a coreografia foi muito vulgar...... Não que boys groups não se esforcem, mas o resultado do esforço é completamente diferente, pois se algum garota de boy group machuca uma unha logo é, tadinho se esforçando tanto, essa empresa abusa deles, mas se é uma garota logo vejo, ela tem que se esforçar mesmo, é normal.
Abaixo uma imagem da Jessi Ho que ficou internada após se esforçar excessivamente para o seu novo comeback





Aqui uma foto da sihyun raper do grupo Spica
Quanto a conceito sexy, facilmente a gente encontra comentários negativos sobre  o conceito, "como elas são putas, como mudaram o conceito só apelam, estão quase nuas nesse mv," porém se é um grupo masculino logo que ficar completamente nu, logo a resposta seria, "como ele é lindo, como inovou, ele merece meu respeito, ta mostrando que cresceu" o pior é que esses não são comentários de coreanos apenas, a maioria dos comentários em MV's de kpop são de estrangeiros e desses muitos são orientais: americanos e brasileiros, que se iludem com o falso puritanismo do k-pop. pra esses  so digo uma coisa:
"Seja menas"
 Na minha opinião o conceito sexy que vem invadindo o k-pop mostra uma tolerância maior com a sexualidade feminina enquanto conceitos fofos muitas das vezes mostram mulheres sujeitas a ser o sonho masculino.

Agora podemos comparar 2 MVs , Mommae do Jay Park e Vibratto a musica tão polêmica de Stellar.





Pra começar eu adoro o Jay Park, só achei um bom mv pra ser comparado, pois ambos foram lançados esse ano,tem uma média mais aproximada de visualizações.
Vamos lá: Mommae foi lançado antes de Vibrato e tem uma media de 4 milhões de visualizações,
40 mil likes e 3 mil deslikes, no Mv temos uma letra falando dos corpos das garotas em que a frase que mais me chamou atenção foi"Você é uma criadora, alimentando todos os homens excitados" no Mv temos uma coreografia ousada coreografadas por mulheres, porém a quantidade de deslikes é baoxa afinal, ele é um homem, um idol amado do kpop( repetindo não sou hater é só um exemplo), vi pessoas falando de coisas como: "ele é ousado, não é mais uma garotinha, arrazou"......... também ouvi comentários contrários reprovando o MV mas a maioria claramente o apoiava, o índice de deslikes mostram isso.

Vibrato tem uma média de 3milhões de visualizações, com 30 mil likes e 10 mil deslikes, na letra o que mais se destacaria, seria " Me diga, que você vai me levar às alturas" claramente uma letra boba de uma garota apaixonada, no MV temos muita ambiguidade, apesar de ser bem evidente, não cega a ser explicito de forma alguma, porém o numero de criticas sobre as garotas foi muito maior assim como a quantidade de dislikes, e como disse anteriormente, vi muitos brasileiros criticando-as, assim como criticaram hello venus, hyuna, gain entre outros.

tenho mais estatísticas sobre o machismo na coreia e no kpop, porem nesse post queria enaltecer mais esse problema entre os kpoppers ocidentais, que estão exigindo dos idols tanto quanto os coreanos.

Mas pra fechar temos que ter um clip da garota que poderíamos chamar de referência para as feministas do k-pop, afinal só ela que tem um MV falando dos abusos em um relacionamento de sua virgindade e se masturbando em um MV huehuehue Gain.



Acho que a postagem ficou grande, tinha doramas, cantores da coreia e outras partes e filmes que queria mencionar, porém deixa pra próxima postagem, mas pretendo fazer outras sobre machismo, homofobia e feminismo, claro no pop asiático.

Outra coisa que gostaria de ressaltar é que apesar de não haverem muitas idols que se intitulam feministas creio que o fato de entrarem no k-pop e se esforçarem tanto, já as fazem grandes, afinal o mundo k-pop é governado por homens e cada passo que dão é um passo nessa luta, e como o k-pop é uma enorme referencia na coreia, talvez esse seja um grande passo pra essa luta na Coréia, ja que a mesma precisa fortalecer o feminismo no país.

Se tiver gostado da postagem comenta ai, se não tiver gostado critique ai opiniões divergente também são aceitas!!

25 de ago de 2015

Análise- Who are you: School 2015

Hello peoples, como vão vocês?

Vi esse dorama a algum tempo e resolvi comentar sobre um século e meio depois, esse dorama tem um inicio maravilhoso desenvolvimento e fim  mediano, indiquei ele a uma amiga que nunca havia visto dorama, mas ainda não havia terminado ele, me arrependi um pouco, mas ela gostou, apesar de não gostar muito do final.
Porém opinião é opinião, e vi que há tanto pessoas que gostaram desse drama, quanto pessoas que não.

Vi ele através do viki.


Elenco principal:
•Kim So-hyun como Lee Eun-bi/Go Eun-byul
•Kang Ji-woo como Go Eun-byul jovem
•Yook Sungjae como Gong Tae-gwang
•Nam Joo-hyuk como Han Yi An
•Jo Soo-hyang como Kang So-young


Sinopse:
As vidas de meninas idênticas com nomes muito semelhantes - um que desaparece sem deixar rasto e um que perde sua memória - colidem de formas inesperadas. Lee Eun Bi (Kim So Hyun) cresce em um orfanato e lida com o assédio moral implacável de um grupo de meninas na escola dela. Go Eun Byul (Kim So Hyun) de uma escola de alto nível em Gangnam, mas desaparece sem deixar vestígios durante uma viagem de campo da escola. Eun Bi tenta escapar de sua vida miserável e acaba no hospital sem memórias de seu passado, a mãe de Eun Byul (Jeon Mi Seon) pensa Eun Bi é sua filha perdida ea leva de volta a viver a sua vida como Eun Byul.
Eun Bi tenta recuperar suas memórias perdidas, ela podera descobrir o que aconteceu com a real Eun Byul e por que ela se parece muito com a garota desaparecida? "Who Are You: Escola 2015" é um drama 2015 sul-coreano da série de dramas dirigido por Baek Sang Hoon. É o mais recente capítulo da série que inclui "School 1" (1999), "School 2" (1999), "School 3" (2000), "School 4" (2001) e "School 2013 "(2013).
By:Viki

Analise:(Contém Spoiler) Esse dorama teve um inicio maravilhoso, o que me fez criar interesse em continuar assistindo ele, o drama da irmã pobre(Lee Eun-bi) que sofre bullyng foi super bem elaborado, assim como o da irmã rica(Go Eun-byul) que sofre com algo que esconde sobre o  seu passado. Posso dizer que a Eun byul tem a personalidade que mais amo nos doramas, mulheres/garotas fortes, independentes e misteriosas, cara essa menina foi demais, pena que apareceu muito pouco já que o dorama focava mais na vida da Eun bi, a jovem que mora no orfanato e precisa dividir seu tempo entre trabalhos de meio período, o orfanato e o colégio, e ainda sofrer bullyng ,  ela é um amor, inicialmente achei que ela séria uma personagem mais forte, porém quanto mais o drama foi passando, mais ela foi se tornando meio boba.
Eun bi sofre bullyng das colegas mas especialmente uma garota Kang So-young, essa me surpreendeu, me convenceu de sua atuação, ela me fez a odiar de verdade, filha de um pai rico, é mimada , porém a relação deles é meio conturbada e o pai é mal caráter também, o que é refletido na personalidade da  So-young, é ao que parece é um dos motivos dela fazer bullyng , inicialmente ela faz da vida da Eun bi um inferno, a ponto da Eun bi ser expulsa do colégio e tentar suicídio,  é nesse momento que a Eun bi troca de lugar com a Eun byl. Do outro lado Eun byl que tem uma mãe que a ama, estuda  em um colégio prestigiado, é popular e tem ótimas notas, porém em uma excursão escolar ela desaparece, a mãe a procura fervorosamente e acaba encontrando a Eun bi , sem memória ela é convencida de que é a Eun byl e levada pra casa pela mãe dela, Eun byl some o dorama inteiro, acho que ela devia ter aparecido mais.


 Eun bi sendo reconhecida como Eun byl, entra no meio de um trio romântico com  Gong Tae-gwang e  Han Yi An, achei o trio forçado já que o Yi An era claramente apaixonado pela Byul , inicialmente ele demostra a paixão pela garota achando que ela era a Byul, porém quando descobre que ela é a Eun bi e que o Gong Tae é apaixonado pela garota e já sabia sobre essa troca de identidade, primeiro desfaz dela, e nesse momento descobre que se apaixonou pela Eun bi, me pareceu que esse amor do Yu An pela Eun Bi foi mais para fazer o Gong Tae sofrer, mas o sentimento vai se tornando real , e mesmo quando a Eun byl volta ele continua apaixonado pela Eun Bi, achei estranho como um garoto pode largar uma paixão desde a infância , que tem uma personalidade completamente diferente, apenas por ter convivido com essa garota a alguns meses, não ouve um grande clímax que fizesse ele se apaixonar por elas, o clímax rolou mais com a Eun Byul jovem do que a Eun bi.

Amei essa menina
Mas parabenizo a Kim So-hyun, por ter interpretado gemeas com personalidades opostas, em momento algum fiquei confusa com quem era quem, ela soube interpretar e cada cena em que cada uma entrava era evidente quem era quem, havia me deparado antes com ela em The moon that enbaracing the sun, e de fato a atuação dela mesmo tão novinha havia me surpreendido e novamente eis que ela me surpreende.

 Jo Soo-hyang foi outra que me surpreendeu, achei a atuação dela ótima  e soube ser vilã, havia a visto em Snowy Road( que não vi de verdade por que ninguém legendou, so dei uma espiadinha e me pareceu ótimo, com minhas atrizes mirins preferidas(não tão mirins agora), Kim hyang gi e Sae ron, é um especial de 2 episódios sobre 2 garotas na guerra sino-japonesa)



Parabéns aos boys Yook Sungjae e Nam Joo-hyuk, que arrasaram na atuação também e são lindos.

E a baby Kang Ji-wooque também arrasou.

Ponto alto: Atuação, inicio e desenvolvimento.

Ponto baixo: Final

Nota: 7,5 
Esse dorama não foi ruim, porém o roteiro poderia sim ter um final mais agradável, e não me fazer shippar errado, brinks.