BREAKING NEWS

Tweet Tweet

29 de dez de 2016

Patriarcado e romantização da violência e abuso em doramas- Parte 1- Confucionismo e as mulheres asiáticas.


Okay, esse é um tema sensível e complicado, mas vou tentar abordar com o máximo de detalhes e precaução possível e sem generalizar.

Vamos começar pelo seguinte, sim eu amo doramas, sejam eles Coreano, Japoneses,Chineses ou Tailandeses. Tenho mais foco sobre os dramas Coreanos que os demais, por isso vou falar mais desses, e minha intenção não é julgar-los ou desmoraliza-los, quero apenas chamar atenção ao que andei notando nesses 7 anos em que os assisto.
O mundo dos doramas mudou, e muito, desde a época que mal se tinha acesso a eles e hoje cujo temos serviços de streaming gratuitos ou pagos que oferecem o melhor dos doramas e com muita rapidez se comparado a 8 anos atrás, quando se esperava almas bondosas (que ainda existem) legendarem esses dramas. Posso dizer que mudaram desde a qualidade, efeitos especiais, desenvolvimento, roteiro e todo o resto, posso dizer também que nesse tempo minha visão sobre as coisas também se alterou, digo que amadureci um pouco,mas não, eu não passei a odiar dramas, mas notei pequenas coisas das quais gostaria de chamar atenção, e que muitas das vezes me incomodam.

Bem em muitos dramas, comumente vemos a personagem principal feminina com as seguintes características: A jovem pura, bela (ou o tipo bela a feia), inocente, na maioria das vezes esforçada, que tem sua vida alterada após a chegada de um homem(normalmente rico, Chaebol, milionário, famoso ou dono de uma rede de alguma coisa),o carinha passa a implicar com a garota, ou ignorar sua existência, mas acaba caindo em paixão pela mesma.

Antes de questionar isso e outras coisa, vamos começar falando apenas da base confucionista asiática (confucionismo tem seus prós e contras), o confucionismo aborda o tema papel de gênero baseado em dois conceitos: Namnyo-yubol (diferença entre os sexos) e Nae-Oe-Beob (mulher como representante da esfera doméstica e os homens da esfera pública).

Na esfera doméstica, é comum nos dramas coreanos encontrar a mãe como o único representante da família; A figura do pai é muitas vezes ausente quando os problemas a tratar estão relacionados com o casamento e outras questões domésticas. No entanto, uma vez que há uma subtrama envolvendo negócios ou política, é mais do que provável que uma figura paterna apareça; em Protect the Boss , por exemplo, é, na verdade, a figura da mãe que está faltando, e o pai desempenha um papel relevante na subtrama relacionada com o negócio.

"O dever de uma mulher não é controlar ou assumir o controle".
- O maior dever da mulher é produzir um filho.

Provérbio neo-confucionista  
No romance, é comum ver as personagens femininas abdicarem suas aspirações pessoais priorizando seu relacionamento com o protagonista masculino. Isso é geralmente retratado como uma qualidade positiva, porque ela está se sacrificando pelo amor, que é o objetivo final em dramas românticos, afinal, esses valores, fazem parte da herança do confucionismo.


As mulheres na sociedade coreana são, supostas a se casar e estabelecer sua nova família; O casamento é definitivamente uma grande pressão social na Coréia. Uma vez que uma mulher atinge seus trinta, ela é suscetível de ser chamada de 'ajumma'. Ajumma significa, literalmente, mulher casada, mas é usada por extensão para designar todas as mulheres que parecem velhas o suficiente para se casar(algo semelhante a "está ficando para titia").Ao contrário do equivalente masculino "ajusshi" (que, em uma nota, não significa "homem casado"), ajumma tem algumas conotações ruins.É bem comum vermos em dramas mulheres que estão próximas aos 30 ou já passaram dessa idade, sofrer bastante pressão sobre se casar ou encontrar alguém (algo que acontece também no Brasil).Apesar disso a média de idade de casamento na Coréia é de 31,6 para os homens e 28,7 para as mulheres, o que é aproximadamente a mesma da maioria dos países desenvolvidos.
"Uma mulher deve olhar para o marido como se fosse o próprio Céu, e nunca se cansar de pensar como ela pode ceder a ele."
Provérbio neo-confucionista

No trabalho, é bem comum que na maioria dos dramas as mulheres tenham empregos inferiores ao do par romântico. Sendo que na maioria das vezes são garotas esforçadas que trabalham em muitos empregos de meio período, ou aquelas que já nasceram ricas e por isso não se preocupam em trabalhar. É comum também que mulheres desistam de seu emprego, ou seu sonho de profissão, para se dedicarem ao homem da relação (lembrando que não estou dizendo que tais coisas sejam erradas, apenas questionando elas nos dramas).

"Uma mulher governante é como uma galinha cantando."

Provérbio neo-confucionista
No entanto cada vez mais personagens femininas vem se diversificando e se alterando. Issso se deve muito a relação dos telespectadores á esses tipos de personagens.Vemos personagens mais fortes, independentes, não tão inocentes, ou que não são taxadas a "titias(ajummas)" mesmo em idade avançada,mulheres que dividem alto cargos com homens, ou que levam uma vida aberta, namorando a quantos quiserem, se redescobrindo, e se esforçando e crescendo na vida profissional sem que seja para o personagem masculino.

Será possível que os espectadores de dramas (especialmente as mulheres, já que são os principais espectadores deste tipo de dramas) estão cansadas ​​dessa imagem tradicional das mulheres?
A resposta é sim, mulheres asiáticas estão sim mudando a percepção sobre dramas entre outras coisas e questionando aquilo que não as agradam. Nos últimos anos as criticas a dramas aumentaram, cenas de abuso ou beijo forçado já não são mais tão bem vindas quanto antes. Em 2005, Lee Dong-ho realizou um estudo entre jovens mulheres coreanas que consumiram regularmente dramas de TV japoneses. Apesar da popularidade crescente dos dramas coreanos naquele tempo, eles pareciam achar os dramas japoneses mais atraentes, e uma das razões dadas foi a descrição da identidade de gênero. Nos dramas japoneses, as protagonistas femininas têm vida além do relacionamento romântico; Eles crescem profissionalmente também, e isso é descrito como mais do que apenas um pano de fundo como nos dramas coreanos. Os telespectadores taiwaneses entrevistados para o estudo "Engajar-se com dramas coreanos: discursos de gênero, mídia e formação de classe em Taiwan" também mostraram angústia com a imagem das mulheres em dramas coreanos. Enquanto a classe trabalhadora parecia identificar-se com essa domesticidade em torno das personagens femininas, os informantes bem-educados todos apontavam para sua preferência por mulheres que são fortes e independentes. Um dos informantes disse "No drama coreano. . . Não há nenhum caráter ambicioso da mulher. Os homens são retratados como tendo ambições, mas mulheres".É verdade que existem personagens femininas que estão dispostas a prosseguir sua carreira e ainda conseguem ser femininas, mas na maioria dos casos eles retratam uma ambição gananciosa, tornando-se a antagonista á protagonista humilde, atenciosa e inocente.



Os dramas televisivos coreanos não oferecem uma representação fiel da sociedade coreana; Eles são na maioria das vezes vinculados aos mesmos estereótipos, as histórias repetem-se e os antecedentes permanecem inalterados. As situações também são excessivamente exageradas na maioria das vezes, e é a partir da reação de diferentes grupos de telespectadores que podemos obter uma melhor compreensão do papel das mulheres na sociedade coreana e a relação com a imagem das mulheres em dramas de TV coreana. Esses estereótipos não representam, de modo algum, toda a população coreana, mas o fato de que os telespectadores parecem aceitar e mesmo se identificar com eles indica que os valores confucionistas ainda estão profundamente enraizados na sociedade coreana  Leste Asiática.

Fonte:
1-womeninworldhistory
2-seoulbeats
3-storify

As imagens a seguir são apenas ilustrativas, não representam nada, porém pretendo falar desses doramas nas próxima partes dessa postagem.


Postar um comentário

OPS! Não saia sem comentar.